TST


TST: Diferença "ínfima" de R$ 0,03 em depósito recursal não configura deserção



A 8ª turma do TST afastou deserção aplicada pelo TRT da 3ª região a recurso ordinário de empresa por causa da diferença de R$ 0,03 em depósito recursal de valor superior a R$ 8 mil. Para o colegiado, a diferença é ínfima e insuficiente para impedir o seguimento do recurso.

Em ação movida por sindicato, a empresa foi condenada em 1º grau e interpôs recurso no TRT da 3ª região. No entanto, o Regional verificou que o depósito recursal da empresa foi de R$ 8.183,03, quando deveria ter sido de R$ 8.183,06, e não conheceu do recurso por deserção.

Para o TRT, "o preparo, consubstanciado no depósito recursal (art. 899 da CLT) e nas custas processuais (art. 789 da CLT), constitui um dos pressupostos objetivos de admissibilidade do recurso", e que, para a efetivação do recurso, é exigida a segura e regular comprovação da realização do depósito recursal, "o que, não sendo constatado, conduz, de forma inafastável, à deserção do recurso".

TST

Contra a decisão do Regional, a empresa interpôs recurso de revista no TST afirmando que a diferença no depósito recursal ocorreu por erro bancário. A companhia sustentou que, em face de princípios previstos no artigo 244 do CPC, o procedimento do preparo por erro de autenticação não pode ter o efeito de impedir que a parte tenha a sua pretensão apreciada.

Ao analisar o recurso, a relatora do caso no TST, ministra Dora Maria da Costa, ponderou que, no caso em questão, "o que se deve ter em mente é a discussão se a diferença entre o montante depositado e o valor devido possui de fato 'expressão econômica', ou seja, se é significante".

Para a relatora, a diferença de R$ 0,03 no depósito é irrisória, e o TRT agiu com rigor excessivo ao rejeitar o recurso, "ainda mais se considerado o valor já recolhido e o alcance da finalidade do depósito recursal, no caso, a garantia do juízo".

Ao considerar que a quantia é insuficiente para impedir o seguimento do recurso interposto no Regional, a relatora deu provimento ao recurso de revista para afastar a deserção e determinou o retorno dos autos ao TRT da 3ª região para o efetivo exame do recurso ordinário interposto pela companhia.

A decisão foi seguida à unanimidade pelos ministros que compõem a 8ª turma do TST.

"A diferença de R$0,03 (três centavos) é irrisória, sendo insuficiente para obstar o seguimento do recurso, pois implica rigor excessivo, ainda mais se considerado o valor já recolhido e o alcance da finalidade do depósito recursal, no caso, a garantia do juízo."

Após a publicação do acórdão do TST, o sindicato opôs embargos de declaração que ainda serão julgados.

Confira a íntegra do acórdão.

 

 

 

Esta matéria foi colocada no ar originalmente em 11 de junho de 2018.
ISSN 1983-392X

Fonte: Migalhas - www.migalhas.com.br




São Paulo SP
Rua Pe. João Manuel 755, 8º andar
Cerqueira César CEP 01411-001
Tel: +55 11 3065-0006 Fax: +55 11 3065-0001


Rio de Janeiro RJ
Rua Visconde Pirajá 407 - sala 503,
Ipanema CEP 22410-003
Tel: +55 21 3596-4442 Fax: +55 21 3597-4442


Miami FL, USA
1401 Brickell Avenue, suite 500,
33131
Phone: +1 (305) 379-4400


2010 CPJAA Todos os direitos reservados.

www.watsons.com.br