Home > Imprensa


Novo imposto só para segurança? Ideia é impopular e não traria receitas em 2018
23/02/2018
GAZETA DO POVO-PR ONLINE
Novo imposto só para segurança? Ideia é impopular e não traria receitas em 2018

Medida teria sido sugerida por Temer, mas não traria efeito em curto prazo e desagradaria ao eleitor, sem resultados em 2018
A falta de segurança pública é um problema perceptível para os brasileiros, mas a criação de um novo imposto destinado a essa área é praticamente impossível, ainda mais em ano eleitoral. Mesmo que o governo de Michel Temer conseguisse angariar apoio no Congresso e achasse uma forma de driblar a legislação sobre impostos para encontrar algo que ainda não seja tributado, o novo imposto não poderia valer neste ano. Temer ficaria com o desgaste político pela proposta, em ano eleitoral, e não arrecadaria um centavo sequer em sua gestão.

O brasileiro já paga impostos demais e a sugestão de criar qualquer novo imposto assusta. A ideia de criação de um tributo imposto sobre bebidas alcóolicas e tabaco para a segurança foi lançada no portal do Senado por uma cidadã do Paraná. Dos 20 mil apoios populares necessários para que os senadores transformem a proposta em um possível projeto de lei, a ideia recebeu apenas sete apoios, durante os quase quatro meses que ficou aberta para votação. Em um ano eleitoral, dificilmente essa seria a estratégia adotada pelo Palácio do Planalto, mesmo com a comoção social em torno da Segurança Pública.

A proposta de criação do novo imposto teria sido lançada pelo próprio Temer, segundo informo o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Ao G1, Maia disse que o presidente sugeriu a criação de imposto exclusivo para financiar a segurança pública, o que teria sido desestimulado por Maia. Nesta quinta-feira (22), o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, teria negado que se estuda a criação de um novo tributo.
“Esqueça, é impossível que o governo crie esse novo imposto. Isso não faz sentido nem economicamente. A carga tributária já é muito alta no país e atrapalha quem quer trabalhar ou consumir. Além disso, é politicamente inoportuno, pois estamos na boca das urnas, e ninguém vota nisso. Por fim, o Brasil já tem um aparato de segurança público todo montado, não se consegue justificar a criação de novos impostos para a área”, avalia Simão Silber, professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP.

O Brasil já tem uma das mais altas cargas tributárias mundiais, para países de seu nível de desenvolvimento. Em 2016, ela atingiu 32,38% do PIB do país contra 32,11% em 2015. A área da segurança também é uma das que mais consomem recursos Orçamentários. Do que é aplicado diretamente pela União, o Orçamento reservou quase R$ 10 bilhões para a área no ano passado. Mas grande parte dos recursos para a área vem dos repasses federais para estados e municípios, bilhões de reais para as diversas áreas. Imposto só valeria para ano que vem e dependeria de “criatividade legislativa”

O advogado tributarista Marcos Paiva, sócio fundador do escritório Choaib, Paiva e Justo, explicou que a criação de um novo imposto depende de votação no Congresso, com um quórum qualificado (maioria absoluta das duas Casas do Congresso, ou seja, 41 senadores e 257 deputados) e somente pode ser colocada em prática no ano posterior à sua aprovação e 90 dias após aprovação. Caso a criação fosse aprovada em setembro deste ano, o imposto poderia começar a ser arrecadado em janeiro de 2010.

Outro obstáculo para a criação de um novo imposto é encontrar um fato gerador ou base de cálculo que ainda não seja tributada, o que é um desafio, e o imposto não pode ser cumulativo. “Como o Brasil praticamente tributa tudo, fico curioso em saber qual base de cálculo poderiam usar”, afirma Paiva.

Para o tributarista, somente com “criatividade legislativa” seria possível que o governo criasse uma nova fonte de arrecadação para a segurança, como ao se criar uma contribuição. Por exemplo, se o governo decidisse a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) para tal destinação. Mesmo nesse caso, o governo precisaria respeitar os prazos para criação do tributo.

“Pode ser contribuição. Poderia ser uma CIDE, mas isso seria um drible, pois a Segurança Pública não tem nada a ver com a atividade econômica”, afirmou o advogado.

O próprio Rodrigo Maia deixou claro que a Câmara não apoiaria a criação do novo imposto. “Temos de discutir as despesas, o brasileiro não quer mais pagar imposto. Precisamos avançar de que forma reduzir despesas”, disse Maia nesta quinta-feira (22).

O Congresso já se mobiliza para achar novas receitas para a segurança pública. Uma delas é a criação de um SUS do setor. Projeto de emenda constitucional já aprovado pelo Senado e que aguarda tramitação na Câmara , que financiaria ações de segurança pública em estados e municípios.


Fonte
: GAZETA DO POVO-PR ONLINE

< voltar para O Escritório na Mídia


São Paulo SP
Rua Pe. João Manuel 755, 8º andar
Cerqueira César CEP 01411-001
Tel: +55 11 3065-0006 Fax: +55 11 3065-0001


Rio de Janeiro RJ
Rua Visconde Pirajá 407 - sala 503,
Ipanema CEP 22410-003
Tel: +55 21 3596-4442 Fax: +55 21 3597-4442


Miami FL, USA
1401 Brickell Avenue, suite 420,
33131
Phone: +1 (305) 379-4400


2010 CPJAA Todos os direitos reservados.

www.watsons.com.br