Decisão é da 2ª turma do STF. O colegiado registrou que não ficou comprovada a ausência de fiscalização por parte do município sobre o adimplemento das verbas trabalhistas.