Ministra Laurita Vaz concluiu que no processo não havia os requisitos para conceder liminar, como dano irreparável.